terça-feira, 29 de junho de 2010

É a Vida

Essa sucessão de dias e noites
É um absurdo que me diz todo dia
Que estou vivo, morto para alguns
Estranho para outros, esquecido para tantos.

É uma sucessão de acontecimentos
Em que não há rima perfeita
Mas existe encadeamento, em que sou o líder
Dos meus próprios erros e acertos.

Ela é sublime e assustadora também
Quando penso que acabou, apenas começou
E quando começa passa tão rápido o sim
Mas ainda sim não é o fim.

Hoje então nem ilusão de perfeita tens
Perdão é uma virtude dos nobres
Que cultivam amando ao espírito descrente
Não se esconda de mim.

Sabe essa vida não vai ser
E meus momentos não serão os mesmos
Nem minhas lágrimas serão
Dedico tempo e juventude no que acredito
Não me arrependo vida
Mas confesso que estou com medo.

2 comentários:

Willians Rodrigues disse...

belos versos poeta, a vida vai entender cada medo, cada palavra, afinal a vida existe a muito tempo, mas quem existe antes da vida? é uma questão pra se pensar ou para se viver?

Chico Arruda disse...

É a vida né... rs